» mais
Gabriel Novis Neves
1bc7aa101267a8883474d6f60e3ebe22
Quarta, 30 de abril de 2014, 12h00

Coisificação

Estava folheando um belo livro de arte e deparei-me com um dos últimos trabalhos do artista alemão Pieter Pauwel Rubens (1577-1640) - “As Três Graças”.

A tela foi inspirada na mitologia grega, onde as Graças eram as deusas do banquete, concórdia, encanto, gratidão, prosperidade familiar e sorte, ou seja, as graças.

As Três Graças de Rubens foram retratadas por três mulheres fartas em carne, símbolo da beleza na época.

Hoje o que se vê são mulheres esqueléticas, presas à ditadura da estética corporal.

Rostos esquálidos e corpos que lembram os torturados nos campos de concentração, apenas, tais como cabides de luxo, emolduradas para destacar as roupas vestidas.

Para a indústria da moda a coisificação da modelo é da maior importância, uma vez que todo o foco deve ser dirigido ao verdadeiro objeto de consumo a ser vendido, a roupa.

Essa sacada da indústria é perfeita em termos comerciais, e desastrosa em termos humanos.

Claro, os nus de Rubens, quando vestidos, nada tinham a impingir ao mercado da época, ainda não industrializado.

Assim, o modelo de beleza era o reflexo do que a fêmea tinha de real, as suas formas curvilíneas exuberantes e a sua sensualidade nata.

Mas, o pior de tudo, é que essa cruel indústria da moda tratou de estabelecer a ditadura do anoréxico e, com isso, massificar a juventude mundial em termos estéticos, tornando-a presa fácil para inúmeras doenças carências e psicossomáticas.

Nunca a humanidade precisou de tantos acessórios e de tantos químicos para exercitar livremente o seu erotismo.

Com essa ditadura vieram os cabelos alisados, os corpos siliconados, as panturrilhas masculamente torneadas, os cílios postiços, os rostos botoxados e, o mais triste, a banalização das ideias em prol da exacerbação das atividades atléticas sexuais, impulsionadas pelas substâncias químicas e pelos brinquedos eróticos.

Fácil entender como novos comportamentos vão trazendo altos lucros a outros setores, tal como numa cadeia cujos elos vão se formando de uma maneira lenta e progressiva, passando despercebidos pela grande maioria das pessoas.

Após tantas queimas públicas do soutien pelas feministas dos anos 60, as mulheres continuam massacradas pelos ditames da sociedade.

Apesar das inúmeras conquistas através dos séculos, elas não conseguiram ainda a liberdade para usar os seus próprios corpos de uma maneira fisiológica, despida de imposições estéticas.

No reino animal, a fêmea é sempre respeitada e jamais invadida contra a sua vontade. Apenas na ocasião do cio existe a plena aceitação do macho.

A fêmea mulher, banalizada como coisa, continua invadida e desrespeitada pelo homem e, principalmente, pelo sistema que, dia-a-dia, mais a “coisifica”.

Estatísticas mostram que os estupros crescem de maneira inversamente proporcional à liberalização dos comportamentos sexuais vigentes e, mais ainda, à coisificação feminina logo após a primeira infância.

A excessiva erotização vinculada pelas mídias e pela indústria crescente da pornografia tem sido o caldo de cultura perfeito para que jovens e adultos mais desavisados, entrem nessa verdadeira maratona em busca dos ideais de beleza apregoados a qualquer preço. 

Gabriel Novis Neves é mèdico em Cuiabá e ex-reitor da UFMT
MAIS COLUNAS DE: Gabriel Novis Neves

» ver todas

Busca



Enquete

A onda 'não eleja parentes' pode afetar Emanuelzinho Pinheiro?

Afeta pois o pai prefeito Emanuel foi flagrado no caso do paletó furado.
Não afeta e segue separado dos problemas do pai
Tanto faz, o povo não não leva a sério o voto.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114