Artigos

Ações que se completam
Carlos Brito
Resiliência
Gabriel Novis Neves
Parabéns meus homens
Marcos Bidoia
SEMA! Descentralizar para preservar II!
Romildo Gonçalves
Parabéns, advogado(a) candidato(a)!
Leonardo Pio da Silva Campos
» mais
Gabriel Novis Neves
1bc7aa101267a8883474d6f60e3ebe22
Terça, 28 de fevereiro de 2012, 08h12

Contradição

Houaiss define contradição como afirmação do contrário afirmado anteriormente, refutação, desacordo. Mas isso quem diz é o dicionarista da nossa difícil língua portuguesa.

Todo brasileiro que se preza, além do pai genético, tem sempre à mão o pai dos burros, como é conhecido entre nós o dicionário, em vias de extinção, substituído pelo doutor Google.

Como cidadão, é impossível viver constantemente em contradição, embora habitemos o país das contradições.

Os exemplos de contradições são diários. Devem existir muitos livros sobre esse assunto, embora não me lembre de nenhum, o que não é novidade alguma na minha idade.

Em uma nação de quase duzentos milhões de habitantes, são pouquíssimos aqueles que suportam as contradições, especialmente dos donos provisórios do poder.

Só os que fazem parte dessa minoria de privilegiados, têm razões para suportar e, o pior, defender as contradições - onde a palavra empenhada assemelha-se a uma nuvem passante.

Aqui em nosso Estado, aqueles que defendem com unhas e dentes as contradições humilhantes dos poderosos, são muito bem recompensados. Com toda certeza ficarão milionários.

Os milionários adeptos das contradições irão frequentar a lista dos homens mais ricos do planeta. É uma questão matemática, sem margem para erros de custo-benefício.

Lembro-me da campanha, “A Petrobrás é nossa.” Era. Hoje, o petróleo tem dono muito bem aceito lá, pois ele é um dos maiores financiadores de campanhas políticas para permanecer tudo como está.

Um sindicalista deputado federal, há vinte anos, da tribuna do Congresso Nacional, defendeu uma greve dos policiais militares do Estado que o elegeu, inclusive, batalhando posteriormente pela anistia concedida.

Esse deputado vira governador do Estado, e a polícia militar, sem condições de trabalho e salários vis, faz uma greve.

O ex-defensor de greves pegou uma carona e foi visitar a República Socialista Democrática de Cuba.

Ao retornar solicitou forças federais para garantir a ordem no seu Estado, modelo de gestão compartilhada.

Não aceitou negociar, é contra a anistia aos militares que ganham uma merreca, prendeu os grevistas, demitiu, e fez tudo que ACM nunca pensou em fazer.

Grande parte dos ocupantes dos cargos importantes hoje no Brasil foi beneficiada pela lei da anistia - ampla, geral e irrestrita dos militares – e, recentemente, por uma enormidade de leis casuísticas e manobras jurídicas de protelamemto combinadas.

Todos, sem exceção, de bolsos cheios de “reparos” de uma anistia, são contrários à anistia dos soldados da Bahia, sendo que, há menos de um ano, houve anistia para os bombeiros do Rio, que reclamavam do salário de novecentos reais.

O governo diz que não pode mexer na Constituição para aumentar percentuais para a saúde, a educação e a segurança, mas tacou a tesoura nela para atender interesses da FIFA, que estão distantes dos interesses do povo brasileiro.

De contradição em contradição, a credibilidade do homem público foi parar nos programas humorísticos.

Haja contradições! Infelizmente, morando nos túmulos das taxas de zelo. 

Gabriel Novis Neves é mèdico em Cuiabá e ex-reitor da UFMT
MAIS COLUNAS DE: Gabriel Novis Neves

» ver todas

Busca



Enquete

Quantos prefeitos-em chefe existem em Primavera do Leste?

Dois
Três
Cinco
É intriga dos adversários
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114