Artigos

Infeliz o povo que depende de uma eleição
Amadeu Roberto Garrido de Paula
Nossa democracia tem solução - e não é intervenção
Fellipe Corrêa
Restaurar o futuro
Coriolano Xavier
Saúde e fake news
Luiz Evaristo Ricci Volpato
As Redes Sociais podem acabar?
João Alves Daltro
» mais
Gabriel Novis Neves
1bc7aa101267a8883474d6f60e3ebe22
Segunda, 05 de agosto de 2013, 15h09

Drogas

Durante a sua visita ao Brasil, em um dos seus discursos, o papa Francisco fez duras críticas à liberação das drogas na América Latina. Classificou os traficantes como “mercadores da morte”.

Foi claro ao afirmar que “não é deixando livre o uso das drogas, como se discute em vários países do continente sul- americano, que se conseguirá reduzir a difusão e a influência química”.

Falou também que temos que adotar estratégias para “enfrentar os problemas que estão na raiz do uso das drogas. A chaga do tráfico de drogas exige da sociedade um ato de coragem”.

“A justiça social, a educação centrada em valores que constroem a vida comum, auxiliando aqueles que estão em dificuldades e dando esperança no futuro”, foi o caminho encontrado pelo Pontífice.

Conservador, não está disposto a mudar posições tradicionais da Igreja Católica.

Seu carisma transformou-o em um ícone do mundo.

Em Aparecida do Norte, na missa proferida na Basílica de Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil, criticou também a idolatria do poder, dinheiro, sucesso e prazer.

Pediu um mundo mais justo.

Na favela da Varginha, no complexo de Manguinhos no Rio de Janeiro, deixou uma mensagem metafórica aos ricos:

“Coloquem mais água no feijão” - como exemplo de solidariedade humana, palavra hoje quase em desuso.

Mandou a Igreja para as ruas, numa alusão de apoio aos últimos movimentos de protestos que estão levando milhares de jovens a saírem de casa.

Podemos discordar de algumas posições da sua Igreja, mas o papa Francisco é uma unanimidade mundial em simplicidade e carisma.

Após sua visita ao Brasil a Igreja sai mais fortalecida.

Com certeza houve aumento do seu rebanho, e estancamento da sangria dos seus fiéis para outras religiões.

“Venha jogar no meu time”, foi o selo da sua missão de evangelização humanizada.

O resto é fé. 

Gabriel Novis Neves é mèdico em Cuiabá e ex-reitor da UFMT
MAIS COLUNAS DE: Gabriel Novis Neves

» ver todas

Busca



Enquete

Você concorda com uma candidatura do vice Niuan a deputado estadual?

Não - pois se Emanuel for cassado Cuiabá ficará sem prefeito.
Sim - pois é direito dele como político.
Tanto faz, Mauro Mendes também não teve vice.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114