» mais
Gabriel Novis Neves
1bc7aa101267a8883474d6f60e3ebe22
Quinta, 08 de agosto de 2013, 10h08

Nasceu mal

A polêmica decisão da atual administração municipal em dar continuidade às obras da Unidade de Pronto Atendimento e Emergência (UPA) do bairro Pascoal Ramos, após condenar o local da construção, deixou mal os seus gestores.
Demonstraram, com esse recuo, que a tão falada eficiência técnica foi ignorada.
Prevaleceu o critério político, o que não é bom para uma área tão importante como a Saúde Pública.
As UPAs são uma necessidade e sempre serão bem vindas para reforçar o Sistema Único da Saúde (SUS), o sistema de atendimento dos pobres.
Sem respeitar diretrizes técnicas, é um investimento com pouco retorno em prol daqueles que mais necessitam.
Recentemente observamos esse fenômeno de “eficiência de gestão” por ocasião da inauguração da única UPA nesta cidade de cerca de seiscentos mil habitantes.
No momento em que foi considerada adequada para receber os pacientes dos populosos bairros do norte da cidade, abrangendo, aproximadamente, duzentos e cinquenta mil habitantes, era fechada a Policlínica da região.
Trocamos meia dúzia por seis!
A Policlínica do CPA, que acabara de ser reformada, passou a ser mais um PSF (Programa Saúde da Família) com as suas modernas instalações atendendo no horário comercial, para desespero da sua população.
Surgia em seu lugar a UPA do bairro Morada do Ouro.
As UPAs vieram para reforçar o SUS, e não, substituir nossas insuficientes Policlínicas.
O pior é que, para se instalar uma UPA, a região deverá possuir, pelo menos, cinquenta por cento de cobertura dos PSF.
No caso relatado, apenas trinta e nove por cento da população é assistida.
O certo seria a construção de mais PSF, manutenção da Policlínica do CPA, para, então, se construir a UPA.
Oportuno lembrar que o custeio de uma UPA é alto e, mesmo com ajuda federal, o município terá que participar com uma contrapartida, medida jamais passada à população, que irá arcar com os recursos.
Temo que o equívoco técnico se repita na região de Pascoal Ramos.
A tendência seria também o desaparecimento da Policlínica do Verdão, pela anunciada UPA no atual Centro de Abastecimento de Cuiabá.
É desanimador constatar que a politicalha afaste decisões técnicas no serviço público.
Isso acontece com o dinheiro do povo. Na iniciativa privada a opinião técnica é soberana.
Esses conflitos enterram esperanças, muitas vezes lembradas que o governo precisa de um bom gerente privado. 

Gabriel Novis Neves é mèdico em Cuiabá e ex-reitor da UFMT
MAIS COLUNAS DE: Gabriel Novis Neves

» ver todas

Busca



Enquete

Em quem você votaria hoje para prefeito de Cuiabá?

Pedro Taques
Blairo Maggi
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114