» mais
Gabriel Novis Neves
1bc7aa101267a8883474d6f60e3ebe22
Sexta, 23 de agosto de 2013, 09h43

Futuro, não!

É importante observar que diante de problemas emergenciais, como o repasse de recursos para a área da saúde pública, a solução do governo vem sempre com o verbo no futuro, e nunca, no presente.

Dos 141 municípios mato-grossenses, segundo informações oficiais - que não representam, em absoluto, a verdade - apenas 63 “estarão” com os seus repasses totalmente regularizados na “próxima semana”.

Promete o governo que, “até o final de outubro”, todos os 141 municípios “estarão” com as transferências quitadas.

O calote do governo nos repasses constitucionais obrigatórios para a saúde e educação faz parte da nossa cultura administrativa.

Todos os nossos governantes são useiros e vezeiros na utilização dessa prática perversa contra os nossos doentes e crianças.

Uma coisa é certa. Esses recursos existentes por força de lei federal, não repassados, foram desviados para outros programas de maior prioridade social ou atividades mais nobres.

Em um Estado que se meteu a sediar uma sede da Copa do Mundo, contando com os ovos dourados de Brasília, que não vieram, é fácil supor o destino dos mesmos.

Enquanto isso, empreiteiros sem caixa recebem recursos, até adiantados, para executar as atrasadas obras do elefante branco.

A maior prova que para o poder público existem dois pesos e duas medidas, foi a recente confissão da Secretaria de Saúde do Estado dizendo que não tinha controle sobre os gastos dos empresários das Organizações Sociais de Saúde (OSS).

Estas recebem generosos repasses públicos e são responsáveis pela administração diferenciada dos hospitais estaduais, que só atendem a baixa complexidade.

A Farmácia de Alto Custo, com os seus medicamentos pagos e vencidos sendo encaminhados para a incineração, também pertence ao sistema empresarial OSS.

A passividade dos nossos políticos preocupa a nossa gente.

A justificativa é que o governo sempre trabalhou assim, e não serão protestos de rua que o fará mudar.

Vamos, pelo menos, ensinar o governo a conjugar os verbos no “presente”.

O governo “tem” que honrar os seus compromissos, e não, saldá-los no “futuro”. 

Gabriel Novis Neves é mèdico em Cuiabá e ex-reitor da UFMT
MAIS COLUNAS DE: Gabriel Novis Neves

» ver todas

Busca



Enquete

Você concorda com uma candidatura do vice Niuan a deputado estadual?

Não - pois se Emanuel for cassado Cuiabá ficará sem prefeito.
Sim - pois é direito dele como político.
Tanto faz, Mauro Mendes também não teve vice.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114