» mais
Luiz Gonzaga Bertelli
1d67c7fcc4fc9af43b355fb1c71720ac
Sexta, 26 de agosto de 2011, 16h38

Os valores dos jovens

Nas décadas de 1960 e 1970, ser jovem significava estar engajado em causas políticas. Idealistas, moças e rapazes se espelhavam em músicos e intelectuais para defender bandeiras como a paz e a democracia. No entanto, as duas décadas seguintes foram marcadas por uma espécie de apagão ideológico: a juventude ficou sem heróis e sem grandes objetivos na vida, além de vencer a duras penas a grave recessão econômica que se abatia sobre os países. No Brasil, uma das raras exceções que confirmava a regra foi o lampejo cívico da geração dos Caras Pintadas – estudantes dos ensinos médio e superior que no início da década de 90 foram às ruas para pedir o impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello.

 

Os anos 2000 chegam e a internet revoluciona o comportamento da juventude. O impacto dessa tecnologia na construção de valores somente pôde ser medida uma década depois. Em meados de julho, a WMcCann divulgou a pesquisa A Verdade sobre a juventude global, um estudo realizado com sete mil pessoas entre 16 e 30 anos em sete países (Reino Unido, Estados Unidos, Espanha, China, Índia, Brasil e México). São três os principais conceitos que motivam pensamentos e atitudes dos jovens, hoje: autenticidade (a necessidade de ver as coisas como elas realmente são), justiça (a necessidade de igualdade social ou pessoal, de fazer o que é certo e ser um ativista) e compartilhamento (a necessidade de conexão, relacionamentos e comunidade).

 

Se por um lado, é sensível o impacto das redes sociais na forma de pensar, por outro é curioso ver que certos ideais são imutáveis. A justiça, um dos princípios mais básicos da humanidade, não saiu de moda mesmo entre jovens que abririam mão do sentido olfativo, mas não da tecnologia – e isso foi também constatado na pesquisa. Os políticos devem redobrar a atenção às suas condutas, pois a resposta aos desvios diariamente noticiados pelos jornais deverá vir nas próximas eleições. As informações correm como nunca, a autenticidade dos dados é conferida minuto a minuto, e um deslize, compartilhado a círculos de amigos que novamente compartilham para seus contatos, criando uma onda devastadoramente higienizadora. A Lei da Ficha Limpa, por exemplo, nasceu desse movimento cidadão possibilitado pela tecnologia da informação. Há até mesmo um site (www.fichalimpa.org.br) com um cadastro voluntário e positivo de candidatos que nunca foram condenados em processos legais e que se comprometem com a transparência de sua campanha eleitoral. A lista, entretanto, ainda está magra, com meros 77 nomes

 

A falta de heróis e de ídolos ainda é uma constante ao fim da primeira década do século 21, mas como nunca existe nos jovens a disposição de tomar as rédeas da história tornando-se protagonistas das transformações. Meios para isso não faltam: os injustos que se cuidem. 

Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), e diretor da Fiesp
MAIS COLUNAS DE: Luiz Gonzaga Bertelli

» ver todas

Busca



Enquete

O que representa, na sua opinião, a redução do período de campanha eleitoral?

Pouco tempo para conhecer propostas.
Falta divulgação antes das convenções
Candidatos com menos recursos serão prejudicados
Tempo suficiente para apresentação de propostas
Tanto faz
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114