Artigos

Resiliência
Gabriel Novis Neves
Parabéns meus homens
Marcos Bidoia
SEMA! Descentralizar para preservar II!
Romildo Gonçalves
Parabéns, advogado(a) candidato(a)!
Leonardo Pio da Silva Campos
Falando de vitórias, ou ...
Marcos Bidoia
» mais
Luiz Gonzaga Bertelli
1d67c7fcc4fc9af43b355fb1c71720ac
Terça, 10 de abril de 2012, 08h11

Outra visão sobre os jovens

“Número de beneficiados por programas de aprendizagem cresce 42% em todo o Brasil”. “Quantidade de novos contratos assinados por estagiários é 7,5% maior em 2012”. Aí estão duas manchetes que poderiam estar estampadas na mídia, caso uma parte dos jornalistas não preferisse criticar o copo meio vazio em lugar de destacar o copo meio cheio, como brinca a analogia que pontua a diferença entre os otimistas e os pessimistas. Os percentuais são extraídos de balanços do CIEE sobre o comportamento da aprendizagem e do estágio. Assim, constata-se que foram geradas vagas que absorveram 32 mil aprendizes e 221 mil estagiários.

Ora, desconsiderar a importância dessa tendência de alta é alimentar um ciclo vicioso que dificulta a inclusão de jovens no mercado de trabalho, movido pela falta de renda e desestímulo à qualificação profissional adequada. É ignorar que a fatia mais grossa das vítimas do desemprego, que inclui até mesmo aqueles que passam pela fase estudantil e /ou universitária. De acordo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), enquanto a média nacional de desemprego beira 6%, o índice chega a 12,6% na faixa etária de 20 a 24 anos e é ainda maior no segmento de 15 a 17 anos, com 22,9%. E ainda: quem mais depende de estágio e aprendizagem, hoje, são jovens da classe C, D e E. O percentual de quem vem desses nichos demográficos é de 69% entre os aprendizes e de 54% entre os estagiários, dobrando a relevância de toda a renda gerada como remuneração a tais atividades. A realidade está batendo à porta e ignorá-la é retardar ainda mais a solução de problemas históricos que afligem o país, formando um verdadeiro gargalo ao desenvolvimento econômico.

As leis referentes à formação profissional dos jovens, é preciso reconhecer, estão demandando alterações que tornem mais clara suas condições de aplicação e até mesmo as adequem à realidade do mundo empresarial. Entretanto, vale ter claro que há inúmeras organizações – dentre as quais o CIEE se destaca por sua capilaridade nacional e história de 48 anos – dispostas a auxiliar as empresas a superar os, digamos, dificultadores legais, na implementação de tais programas, sem desrespeitar as normas legais.

Além de prestar o leque completo de serviços gratuitos voltados à inclusão profissional de jovens estagiários, o CIEE acompanha de perto a vida desses beneficiados, conhecendo de perto anseios, aspirações e motivações dessa geração. Algumas dessas histórias e duas pesquisas inéditas sobre o perfil do estagiário e do aprendiz motivaram uma reportagem especial da edição 103 de sua revista institucional Agitação, pode ser acessada gratuitamente no site www.ciee.org.br. É um material rico que pode, quem sabe, inspirar até os jornalistas mais pessimistas a lançar um novo olhar sobre o valor dessas modalidades de capacitação profissional.

Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), e diretor da Fiesp
MAIS COLUNAS DE: Luiz Gonzaga Bertelli

» ver todas

Busca



Enquete

Quantos prefeitos-em chefe existem em Primavera do Leste?

Dois
Três
Cinco
É intriga dos adversários
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114