Cuiabá | MT 07/12/2021
Eluise Dorileo
28d09e1974ed5392218d5cefb32d5059
Domingo, 19 de setembro de 2021, 12h04

O luto pelo suicídio de uma pessoa querida

Mais de 13 mil suicídios são registrados todos os anos no Brasil e mais de 01 milhão no mundo. Uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.

 

E para quem perde um ente ou pessoa querida fica complicado aceitar o luto.

 

Resta apenas uma imensa tristeza, culpa e diversas perguntas. "Por que isso aconteceu? Como eu não percebi nada? Será que pode acontecer de novo com a minha família?". Todos querem uma resposta.

 

Por ser uma situação de difícil compreensão, as vezes os parentes e os amigos se afastam ou não sabem como falar do tema, deixando essas pessoas em situação de grande vulnerabilidade.

 

Não adianta ficar preso na busca do 'por quê?', já que a resposta foi embora com quem morreu e na verdade a gente não vai encontrar causas, porque o suicídio é sempre resultado de um conjunto de fatores.

 

Acontece que ninguém sabe como falar com você a respeito, então, simplesmente, ninguém fala nada. Então as pessoas parentes se sentem isolados. As pessoas têm medo e abre uma distância entre você e as pessoas. A dor não passa se você não puder falar. É um momento de compartilhar a dor, oferecer o ombro e não evitar a pessoa enlutada. Falar a respeito pode ser um alívio. Às vezes senão for com um amigo, ou familiar, pode-se procurar ajudar profissional como um psicólogo ou um psiquiatra. E porque não um grupo de apoio de pessoas que já passaram pelo mesmo drama estão agora ajudando outras com sua experiência de vida.

 

Na verdade podemos comparar o suicídio a um tsunami, que destrói tudo, mas com o tempo e com ajuda pode-se se reconstruindo o que se perdeu a partir de uma nova realidade da vida e buscar ser feliz convivendo o antes e o depois do ocorrido. Mas a vida continua e devemos sim seguir em frente. Podemos não superar, mas aprenderemos a aceitar e conviver com o que temos para hoje.

 

Bora para a Vida!

Eluise Dorileo é psicóloga,terapeuta familiar com especialização em Constelação Familiar. Email: eluiseguedes@hotmail.com
MAIS COLUNAS DE: Eluise Dorileo

» ver todas

Busca



Enquete

Com Emanuel afastado, o vice Stopa traz recursos do governo Mauro. O que você acha?

Com Stopa Cuiabá só tem a ganhar
Emanuel fazia birra e Cuiabá perdia
Mauro poderá fazer muito mais por Cuiabá com Stopa
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114