Artigos

Resiliência
Gabriel Novis Neves
Parabéns meus homens
Marcos Bidoia
SEMA! Descentralizar para preservar II!
Romildo Gonçalves
Parabéns, advogado(a) candidato(a)!
Leonardo Pio da Silva Campos
Falando de vitórias, ou ...
Marcos Bidoia
» mais
Comentar           Imprimir
Economia
Quarta, 08 de agosto de 2012, 10h06

Petrobras crê no etanol contra importações de gasolina


A Petrobras acredita na melhora da oferta de etanol entre 2013 e 2014 como forma de aliviar as importações de gasolina e manter o perfil das refinarias como projetado no plano de negócios, disse a presidente da estatal nesta terça-feira.

"A indústria de etanol é uma indústria vigorosa. Tenho certeza que o etanol volta... É uma situação que será resolvida para o bem da indústria sucroalcooleira e da de hidrocarbonetos", afirmou Maria das Graças Foster a jornalistas durante a Conferência Internacional de Energia, em São Paulo.

Graça Foster, como ela prefere ser chamada, explicou que a Petrobras definiu suas metas para 2020 considerando a existência e o crescimento da indústria de etanol no Brasil.

É importante para a companhia manter o perfil de refino definido cerca de 3 a 4 anos atrás, que é um perfil principalmente para o diesel, GLP (gás liquefeito de petróleo) e QAV (querosene para aviação), produtos importados pelo Brasil, disse a presidente da estatal.

"Então, este é um perfil (de refino) que precisa ser mantido, e eu entendo que será porque o etanol certamente vai voltar, para o bem das indústrias dos (combustíveis) renováveis e da de hidrocarbonetos", reforçou Graça Foster.

"Eu sou meio rígida em relação a mudar o escopo das refinarias. A forma mais rápida de mexer nisso sem mexer nas refinarias é a volta do etanol, é preciso que o etanol volte", disse Graça Foster. Ela acrescentou que o plano de negócios 2012-16 não prevê a incorporação de novas unidades de produção com vocação para gasolina.

Graça Foster afirmou que a Petrobras trabalha para que o etanol volte a ser competitivo no país, mas considera que cabe às indústrias discutirem com o governo uma base econômica que possa viabilizar a produção do biocombustível.

A presidente ponderou que enquanto a oferta de etanol não acompanhar o crescimento do mercado, será necessário manter a importação de combustíveis para suprir a demanda nacional.

O consumo de etanol perdeu força no Brasil, uma vez que a política do governo federal é de manter os preços da gasolina estável nas bombas, sem subir na mesma medida que o petróleo no mercado internacional.

Empresas do setor sucroenergético reclamam que a competição do etanol, cujos custos de produção têm subido nos últimos anos, contra a gasolina sem reajuste torna o biocombustível pouco atraente para os consumidores.

Especialistas reunidos durante o encontro desta terça-feira (07) ressaltaram que o setor depende de alterações na política de formação de preços para ver uma retomada nos investimentos para ampliação de oferta do biocombustível. 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Quantos prefeitos-em chefe existem em Primavera do Leste?

Dois
Três
Cinco
É intriga dos adversários
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114