» mais
Comentar           Imprimir
Política MT
Quarta, 06 de abril de 2016, 13h32

Brasil precisa conectar sistemas de inovação, diz estudo


Mesmo com “todos os elementos de um sistema de inovação desenvolvido”, o Brasil ainda encontra dificuldade para interconectá-los e definir uma agenda estratégica de longo prazo para as áreas de educação, pesquisa, produção, inovação e financiamento. A constatação faz parte de estudo apresentado nesta quarta-feira (6) pela economista e PhD ítalo-americana Mariana Mazzucato ao ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera.

Marcelo Camargo

A dificuldade de interação foi identificada nas relações entre organizações públicas e privadas e entre elas mesmas. Segundo Mariana, há ineficiências nos sistemas de política e de regulação que precisam de ações legislativas para que possam ser superadas. “Parece não haver confiança entre cada uma dessas partes, aqui no Brasil”, disse a economista.

De acordo com o estudo, intitulado The Brazilian Innovation System: A Mission-Oriented Policy Proposal, o país já conta com um sistema de inovação desenvolvido, que inclui instituições-chave em todos os seus subsistemas. "No entanto, o país ainda não conta com uma agenda estratégica consistente, de longo prazo, que dê coerência às políticas públicas, e que oriente a pesquisa científica e os agentes privados em seus esforços para a inovação", afirmou.

Para a pesquisadora, a dificuldades da população brasileira, hoje, são campo fértil para o desenvolvimento de tecnologias inovadoras. Uma das recomendações é que os desafios do país devem ser concebidos de forma a contribuir para o combate à desigualdade social. O que, ressaltou, já vinha sendo observado no Brasil, mas acabou sendo prejudicado nos últimos anos, devido à atual crise política.

“Algumas pessoas disseram que este é o pior período pelo qual o país passou nos últimos anos. Para mim, trata-se do melhor momento para crescer e aumentar os investimentos. O momento é difícil, mas, digo a vocês, a razão que há três anos me despertou para o Brasil foi a de ser um dos poucos países que conseguiram conciliar desenvolvimento com crescimento inclusivo. Isso chamou muito a atenção”, disse Mariana Mazzucato, após criticar o que chamou de “obsessão" de países europeus pelo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) “sem que haja retorno para as pessoas”.

Ela destacou como "característica negativa" a falta de investimentos privados, o que resulta na necessidade de o Estado ter que cumprir tal papel por meio de órgãos como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes). Mas isso, acrescentou, também tem sido prejudicado após tantas denúncias de corrupção.

“O Brasil carece de investimentos privados [no setor de inovação], e isso aumentou com a crise [pela qual passa o país]. O setor público investe, mas isso também foi prejudicado em decorrência das denúncias de corrupção. Para focar na inovação, que é necessária ao país, temos que promover uma discussão horizontal, visando a uma agenda inclusiva, porque investimentos são inevitáveis e precisam ser feitos. O problema é que, em situações de crise, sempre aparecem economistas defendendo cortes na parte de baixo [da pirâmide social]”, disse.

Segundo o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, o estudo “consolida a sensação” que já vinha sendo percebida pelas autoridades brasileiras. “Temos, agora, que identificar o que faz algumas políticas darem certo e outras não, e a partir daí copiar as que dão certo”, disse. “E, à luz do estudo, vamos escolher as políticas a desenvolver nos próximos anos e torcer para que essa estratégia não seja paralisada. O desafio, agora, é subir o nível de investimento da iniciativa privada”, acrescentou.

Encomendado pelo ministério, e envolvendo parceria do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) com a Universidade de Sussex (EUA), o estudo avaliou uma série de iniciativas de incentivo à inovação implementadas nos últimos anos pelo governo federal, com destaque para programas como Inova Empresa. Segundo a pesquisadora, este programa representa “um exemplo positivo” de política orientada por missões, ao ser lançado com forte articulação entre ministérios, agências e demais instituições, com o objetivo de impulsionar a economia e elevar a produtividade. 

ABr


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Você defende que a ferrovia passe por Cuiabá?

Sim, pois incrementará a economia.
Não, pois não temos produtos em volume necessários.
Indiferente
Outro problema como o VLT
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114