Artigos

Injustiças na aposentadoria
Ruy Martins Altenfelder Silva
Ares da Arena
Francisco Faiad
Julier e o sal de bário
Jorge Maciel
Armazém dos Amigos de Cuiabá
Enildes Corrêa
Equilíbrio do tempo...
Pedro Nadaf
» mais
Comentar           Imprimir
Política
Sexta, 20 de julho de 2012, 12h28

Luta contra queimada pode virar programa de governo


“Mato Grosso sem Fumaça deve sair da condição de projeto e se tornar um programa de governo”, destacou o secretário de Estado de Educação, Ságuas Moraes, ao falar da importância da ação, para os monitores que estão sendo capacitados para atuar com os visitantes do Pulmão Inflável.

O projeto iniciado em 2010 com proposta semelhante ganha vertente matogrossense com foco nas necessidades de cuidados com o meio ambiente e saúde para gerar benefícios sociais.O tour educativo pelo pulmão será desenvolvido no segundo semestre no Estado.

Ságuas destacou durante a abertura da capacitação que a integração entre as Secretarias Estaduais de Educação, Saúde e Meio Ambiente, além de Ministério Público (MP) e Sociedade Matogrossense de Pneumologia, deve fazer das ações uma proposta rotineira na política estadual. “Os problemas com queimadas e tabaco atingem repercussão nacional e mundial, não devem ser tratados pontualmente. Temos que garantir a adesão de mais pessoas à causa, que traz tantos prejuízos para a sociedade”.

O fato da edição de 2012 do projeto Mato Grosso sem Fumaça conseguir integrar os órgão em uma ação conjunta foi o maior destaque dado pelos participantes. “As ações eram segmentadas. A saúde ficava com a responsabilidade de tratar as doenças respiratórias, mas essas, vão além da saúde”, destacou o representante da Secretaria de Estado de Saúde, Wagner Luiz Peres,

Queimada, por exemplo, fica com a Secretaria de Meio Ambiente, contudo, questiona a superintendente de Educação Ambiental da Sema, Vânia César, “queimada não é um problema de saúde?” Conforme Vânia, é necessário mostrar para a sociedade que existem práticas corretas de desenvolver as ações de queima, que não impactarão em maiores gastos ou prejuízos para o praticante.

Kézia Damares, representante do Ministério Público Estadual, defendeu as práticas de prevenção e mudança de mentalidade, já que a punição acontece depois que o prejuízo está posto. Segundo ela, os danos a saúde e ao meio ambiente já aconteceram quando o Ministério Público é acionado. “Devemos evitar os estragos a natureza e a saúde da população”, diz.
Prejuízos

As queimadas serão um dos focos do projeto Mato Grosso sem Fumaça, que trabalhará também com fogão à lenha e tabaco. No quesito fumo a presidente da sociedade de pneumologia, a médica Keyla Maia, destaca os danos causados na saúde da população e os prejuízos econômicos para a sociedade. “Pesquisas comprovam que os dependentes químicos iniciaram o vício pelo cigarro. E mais, hoje o vício do cigarro é uma doença considerada pediátrica, já que a iniciação se dá antes dos 14 anos”.

Segundo a médica, as campanhas preventivas com criança e adolescentes em idade escolar, são uma proposta efetiva para os resultados. De acordo com a médica, os índices de mudança de hábitos no indivíduo adultos não são muito animadores. “Menos de 50% dos já fumantes conseguem largar o cigarro”, diz.

Pesquisas mundiais revelam que o tabaco mata cerca de 5 milhões de pessoas por ano no mundo. Os gastos com tratamentos de doenças associadas ao tabaco chegam a R$ 21 bilhões, enquanto os lucros das empresas de tabaco atingem apenas R$ 6 bilhões, ou seja, os danos para a sociedade são bem maiores.


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Os trilhos do VLT no elevado da UFMT servem pra quê?

Enganar os gringos?
Achar que todos são idiotas?
Burrice do marketeiro?
Silval pirou o cabeção!
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114