Artigos

Políticos e redes sociais
Margareth Botelho
Ações que se completam
Carlos Brito
Resiliência
Gabriel Novis Neves
Parabéns meus homens
Marcos Bidoia
SEMA! Descentralizar para preservar II!
Romildo Gonçalves
» mais
Comentar           Imprimir
Política
Sexta, 17 de agosto de 2012, 06h18

Ex-prefeitos que disputam eleição são mais de 3 mil em todo o país


O grande número de ex-prefeitos que se candidataram este ano para voltar ao cargo é um fato que divide opiniões no meio acadêmico. Pesquisa feita pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) mostra que mais de 3 mil candidatos a prefeito nas eleições de outubro já ocuparam o cargo. Eles foram eleitos nos pleitos de 1996, 2000 e 2004.

Para alguns cientistas políticos, a busca permanente pelo poder municipal é reflexo de uma democracia incipiente, que possibilita ao candidato estabelecer feudos políticos. Outros, no entanto, consideram a prerrogativa de disputar um cargo que já foi exercido nada além do exercício pleno da democracia, que transfere ao povo o poder de colocar quem quiser no cargo.

Para o cientista político José Luciano Dias, da Universidade de Brasília (UnB), é normal um político buscar exercer novamente um cargo como o de prefeito. Dias não faz críticas ao que chama de “pensamento de classe média”. Segundo ele, o problema é que “pensadores” dessa classe social, que representa 7% dos brasileiros, “acha que pode impor aos mais pobres em quem deve votar”.

Luciano Dias qualifica de “bobagem” essa postura e lembra que, na hora em que digita na urna eletrônica o número de seu candidato, a população mais pobre exerce o direito de escolher aquele que prefere ver no cargo.
“Esse eleitor é pragmático e vota em quem satisfaz suas necessidades. Não adianta querer impor uma decisão utópica, que tire o poder do eleitor de escolher em quem votar”, diz o cientista político.

Também cientista político da UnB, João Paulo Peixoto faz uma avaliação diferente da de Luciano Dias. Candidaturas recorrentes ao mesmo cargo não passam de um método criado pelos políticos para estabelecer “feudos”, nos quais eles dominam o eleitorado, ressalta Peixoto.

Para ele, não há leis capazes de modificar tal realidade. Trata-se de um problema cultural da sociedade brasileira, que convive com um capitalismo incipiente, que se reflete na política, fazendo com que haja pouca renovação dos quadros existentes, explica.

“Nos Estados Unidos, por exemplo, o político chega à Presidência da República e, cumprido o mandato, vai para casa. Não tem esse negócio de se candidatar a senador, a deputado ou a governador, como no Brasil”, acrescenta Peixoto. De acordo com ele, depois de cumprir o mandato na prefeitura, o político brasileiro deveria buscar novas cargos, como parlamentar federal ou até mesmo governador.

O cruzamento de dados feito pela Confederação Nacional dos Municípios demonstra, por exemplo, que 1.075 políticos que foram prefeitos entre 2005 e 2008 querem retornar ao cargo e vão disputar as eleições deste ano. Com 207 ex-prefeitos na disputa, Minas Gerais é o estado com maior número de candidatos a voltar à prefeitura. 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Quantos prefeitos-em chefe existem em Primavera do Leste?

Dois
Três
Cinco
É intriga dos adversários
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114