Artigos

Operação Carne Fraca: consequências
José Otávio Menten
Sabendo por edital
Gisela Simona Viana de Souza
Dia Mundial do Rim
Paiva Neto
Perfil do emprego em Mato Grosso
Maurício Munhoz Ferraz
Doença do beijo
Ernani Caporossi
» mais
Comentar           Imprimir
Polícia
Sexta, 10 de agosto de 2012, 10h31

Justiça vai intermediar negociação com prefeitura


O desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha será o intermediador da negociação entre o Sindicato dos Médicos (Sindimed) e a Prefeitura de Cuiabá com o objetivo colocar fim ao movimento grevista. Segundo o desembargador, essa é a nova postura que vem sendo adotada pela Justiça, de buscar meios alternativos para a solução de conflitos e, neste caso específico, garantir a manutenção do atendimento à população.

Na noite de segunda-feira (6 de agosto), o desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha acolheu pedido de liminar em ação cautelar inominada impetrada pela Prefeitura de Cuiabá que pedia a manutenção de 100% do atendimento, colocando fim ao movimento paredista. Em caso de descumprimento, foi fixada multa diária de R$ 10 mil (Medida Cautelar Inominada nº 94.848/2012 – Cuiabá).

O magistrado recebeu em seu gabinete na manhã de ontem (9 de agosto) representantes do Sindimed e do Conselho Regional de Medicina (CRM), que procuraram o desembargador a fim de sensibilizá-lo sobre a greve. Os médicos alegam que mais do que reajuste salarial, o movimento tem por objetivo melhorar as condições de trabalho desses profissionais, em virtude do sucateamento e da falta de investimentos na rede pública de saúde.

Ao término da reunião, o desembargador solicitou uma reunião com o secretário municipal de Saúde, Lamartine Godoy, o prefeito de Cuiabá, Francisco Galindo, além dos representantes dos médicos, para buscar uma solução para o impasse. A expectativa é de que a reunião seja marcada ainda para esta sexta-feira (10 de agosto). O desembargador acredita que, nesses casos, um acordo, além de colocar fim ao conflito, colabora para desafogar o Poder Judiciário.

“Vamos tentar avançar nas negociações, já que as partes já tentaram outros mecanismos mas não conseguiram um acordo”, destacou o magistrado. Estiveram presentes no gabinete o vice-presidente do CRM, Arlan de Azevedo Ferreira, a presidente do Sindimed, Elza Luiz de Queiroz, a médica responsável pelo comando de greve, Eliana Siqueira Carvalho, além dos advogados do Sindimed Fernanda Vaucher e Bruno Álvares. 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

O que esperar do governo Pedro Taques em 2017

Vai sobreviver
Não vai sobreviver
Retomará a condução política
Segue o mandato indiferente
Não é problema meu
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114