Artigos

Injustiças na aposentadoria
Ruy Martins Altenfelder Silva
Ares da Arena
Francisco Faiad
Julier e o sal de bário
Jorge Maciel
Armazém dos Amigos de Cuiabá
Enildes Corrêa
Equilíbrio do tempo...
Pedro Nadaf
» mais
Comentar           Imprimir
Agronegócio
Quarta, 25 de julho de 2012, 08h53

Investimento pode cobrir rombo externo


A crise global e o dólar mais alto contribuíram para atenuar o déficit nas contas externas do Brasil, mas também reduziram as exportações brasileiras e os investimentos estrangeiros no País no primeiro semestre. Ao apresentar esse cenário, o Banco Central sinalizou que há possibilidade de que o investimento produtivo seja suficiente para cobrir o rombo em transações correntes em 2012.

No primeiro semestre, o País teve déficit nas transações de bens e serviços com o exterior de US$ 25,3 bilhões, 3% abaixo do verificado no mesmo período de 2011. Na comparação com o Produto Interno Bruto (PIB), o resultado negativo segue praticamente estável desde o fim de 2010, em 2,2%. É quase a metade do que se verificava no início da década passada, quando esse indicador refletia vulnerabilidade maior do País a crises externas.

A queda do déficit em transações correntes em 2012 ocorre por dois fatores: efeito da crise e do dólar alto. Um bom exemplo pode ser visto na queda da remessa de lucros para o exterior, principal fator que segurou o déficit. A desaceleração da economia afetou o lucro das multinacionais que atuam aqui e reduziu em 47% as transferências para as matrizes no exterior.

A alta recente do dólar para a casa de R$ 2 também reduziu essas remessas. Além de lucrar menos em reais, esse dinheiro passou a valer menos na hora de converter a moeda para o dólar e enviar os recursos para o exterior.

O câmbio contribuiu ainda para o crescimento menor nos gastos com serviços de transportes e viagens para o exterior. O déficit só não caiu mais porque a crise reduziu em 45% o saldo da balança comercial, por causa da queda nas exportações.

Investimentos. Em meio aos reflexos da crise, o Investimento Estrangeiro Direto (IED), aquele voltado ao setor produtivo, caiu 8,6% no semestre, para US$ 29,7 bilhões. Mesmo com a queda, o valor continua suficiente para cobrir todo o saldo negativo das contas externas.

Diante disso, o chefe adjunto do departamento econômico do BC, Fernando Rocha, fez um prognóstico otimista. "Se olhar a trajetória recente e projetar a continuidade dos resultados do primeiro semestre, o déficit do ano pode ser completamente financiado pelo IED." A instituição ainda prevê, no entanto, déficit de US$ 56 bilhões no ano e entrada de US$ 50 bilhões em investimentos.

Os dados do BC mostram também recuperação desses investimentos neste início de semestre. Entraram no País por esse canal US$ 6,3 bilhões nos 20 primeiros dias de julho, e o BC espera chegar a US$ 7 bilhões até o fim do mês. Será o maior volume em 17 meses e o segundo mês seguido de recuperação do investimento, que somou quase US$ 6 bilhões em junho.

Com isso, essa fonte de recursos vai superar, pelo terceiro mês seguido, o valor do déficit do País nas contas externas, que deve ficar em US$ 4,5 bilhões em julho, segundo o BC. Em junho, o resultado negativo foi de US$ 4,4 bilhões.

Os economistas da consultoria LCA avaliam que os investimentos diretos seguem em um patamar alto, "sinal de que as empresas no exterior continuam enxergando o Brasil como um país com boas perspectivas".

Fonte: O Estado de S. Paulo 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Os trilhos do VLT no elevado da UFMT servem pra quê?

Enganar os gringos?
Achar que todos são idiotas?
Burrice do marketeiro?
Silval pirou o cabeção!
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114