Artigos

Resiliência
Gabriel Novis Neves
Parabéns meus homens
Marcos Bidoia
SEMA! Descentralizar para preservar II!
Romildo Gonçalves
Parabéns, advogado(a) candidato(a)!
Leonardo Pio da Silva Campos
Falando de vitórias, ou ...
Marcos Bidoia
» mais
Comentar           Imprimir
Interior de MT
Sexta, 22 de junho de 2012, 17h46

Prefeita de Colniza apresenta recurso ao Tribunal de Contas da União


A prefeita de Colniza, Nelci Capitani, disse que houve um equívoco na decisão do Tribunal de Contas da União, que a considerou inelegível devido à aquisição irregular de uma Unidade Móvel de Saúde, em 2001, quando a gestora exercia o primeiro mandato com prefeita da cidade. A assessoria jurídica da prefeita interpôs um Recurso de Reconsideração junto ao TCU para explicar os fatos e requerer a revisão da decisão.


No recurso a defesa argumenta que a prestação de contas sobre a aquisição da unidade havia sido inicialmente aprovada pelo Ministério da Saúde, porém, posteriormente o ministério mudou sua decisão baseado em relatório de auditoria da Controladoria Geral da União. A CGU apontou que a aquisição do veículo estava em desacordo com o plano de trabalho apresentado ao Ministério da Saúde.


No documento consta a “mudança da especificação com prejuízo ao objetivo do convênio”. Esse apontamento é feito, pois a prefeitura adquiriu uma unidade móvel odontológica ao invés de uma unidade móvel médica, conforme constava no plano de trabalho.


A assessora jurídica da prefeita informou que não houve má fé do município em adquirir a unidade móvel odontológica ao invés da unidade móvel médica, pois constava no convênio a “aquisição de uma unidade móvel de saúde”, de forma genérica. Dessa forma a administração municipal interpretou a possibilidade dos recursos serem utilizados para aquisição de veículo tanto para atendimento médico, quanto para atendimento odontológico. A prefeitura optou por investir na unidade odontológica, considerando a carência da comunidade local para esse atendimento.


A defesa argumenta que, embora tenha sido constatada a divergência, não houve superfaturamento na aquisição da unidade de saúde, de acordo com a metodologia adotada para o cálculo dos valores referenciais para o exame dos processos de Tomada de Contas Especial, que envolvam a aquisição de ambulâncias, disponível no portal do TCU.


Além disso, a documentação referente à prestação de contas do convênio nº 3356/2001 indica que a execução do objeto ocorreu de forma satisfatória, o depósito dos recursos financeiros (do Ministério da Saúde e da contrapartida do município) foi efetuado em conta específica do convênio, os pagamentos realizados basearam-se nas notas fiscais emitidas, e os preços praticados estão de acordo com os de mercado.


A assessoria reforça que não houve desvio dos recursos públicos repassados pelo Ministério da Saúde ao município de Colniza/MT, inexiste, portanto, débito a ser ressarcido ao Erário. “Nesse sentido, entendemos que os presentes autos devem ser arquivados, sem julgamento do mérito, considerando a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular, nos termos do artigo 212 do Regimento Interno/TCU”, argumenta a defesa.


A assessoria propõe ao TCU que determine o arquivamento do processo e ao ministério da Saúde que proceda a baixa da inscrição do nome da prefeita do Siafi, sistema utilizado para registro, acompanhamento e controle da execução orçamentária, financeira e patrimonial do Governo Federal. 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Quantos prefeitos-em chefe existem em Primavera do Leste?

Dois
Três
Cinco
É intriga dos adversários
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114