Artigos

53ª Rima - O boi e as coisas que vi
Alessandra Rosa Da Silva Carvalho
Acordei da anestesia
Ely Leal
Operações Matemáticas
Marcos Bidoia
Internet: Cartel oficial sob olhares beneficiados
Alberto Romeu Pereira
Fugitivo de Sorocaba
Gabriel Novis Neves
» mais
Comentar           Imprimir
Interior de MT
Sexta, 22 de junho de 2012, 17h46

Prefeita de Colniza apresenta recurso ao Tribunal de Contas da União


A prefeita de Colniza, Nelci Capitani, disse que houve um equívoco na decisão do Tribunal de Contas da União, que a considerou inelegível devido à aquisição irregular de uma Unidade Móvel de Saúde, em 2001, quando a gestora exercia o primeiro mandato com prefeita da cidade. A assessoria jurídica da prefeita interpôs um Recurso de Reconsideração junto ao TCU para explicar os fatos e requerer a revisão da decisão.


No recurso a defesa argumenta que a prestação de contas sobre a aquisição da unidade havia sido inicialmente aprovada pelo Ministério da Saúde, porém, posteriormente o ministério mudou sua decisão baseado em relatório de auditoria da Controladoria Geral da União. A CGU apontou que a aquisição do veículo estava em desacordo com o plano de trabalho apresentado ao Ministério da Saúde.


No documento consta a “mudança da especificação com prejuízo ao objetivo do convênio”. Esse apontamento é feito, pois a prefeitura adquiriu uma unidade móvel odontológica ao invés de uma unidade móvel médica, conforme constava no plano de trabalho.


A assessora jurídica da prefeita informou que não houve má fé do município em adquirir a unidade móvel odontológica ao invés da unidade móvel médica, pois constava no convênio a “aquisição de uma unidade móvel de saúde”, de forma genérica. Dessa forma a administração municipal interpretou a possibilidade dos recursos serem utilizados para aquisição de veículo tanto para atendimento médico, quanto para atendimento odontológico. A prefeitura optou por investir na unidade odontológica, considerando a carência da comunidade local para esse atendimento.


A defesa argumenta que, embora tenha sido constatada a divergência, não houve superfaturamento na aquisição da unidade de saúde, de acordo com a metodologia adotada para o cálculo dos valores referenciais para o exame dos processos de Tomada de Contas Especial, que envolvam a aquisição de ambulâncias, disponível no portal do TCU.


Além disso, a documentação referente à prestação de contas do convênio nº 3356/2001 indica que a execução do objeto ocorreu de forma satisfatória, o depósito dos recursos financeiros (do Ministério da Saúde e da contrapartida do município) foi efetuado em conta específica do convênio, os pagamentos realizados basearam-se nas notas fiscais emitidas, e os preços praticados estão de acordo com os de mercado.


A assessoria reforça que não houve desvio dos recursos públicos repassados pelo Ministério da Saúde ao município de Colniza/MT, inexiste, portanto, débito a ser ressarcido ao Erário. “Nesse sentido, entendemos que os presentes autos devem ser arquivados, sem julgamento do mérito, considerando a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular, nos termos do artigo 212 do Regimento Interno/TCU”, argumenta a defesa.


A assessoria propõe ao TCU que determine o arquivamento do processo e ao ministério da Saúde que proceda a baixa da inscrição do nome da prefeita do Siafi, sistema utilizado para registro, acompanhamento e controle da execução orçamentária, financeira e patrimonial do Governo Federal. 


Comentar           Imprimir


Busca



Enquete

Sem a vitrine da Copa como você vê a administração Mauro Mendes em Cuiabá

Ótima
Razoável
Deficitária
Um caos
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114