» mais
Né !

E os novatos, não votam pra mesa?

Terça, 13 de novembro de 2018

A eleição pela mesa diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, hoje sob a preferência do atual presidente Eduardo Botelho, segue polarizada ao próprio comandante.

A deputada reeleita Janaina Riva, está sendo escanteada por Botelho, o qual não aceitaria sequer uma composição. Ela foi lider em votos,com mais de 51 mil conquistados nas urnas.

O detalhe é que quem está definindo pela futura gestão da Casa são os atuais deputados, dos quais muitos não foram reeleitos.

Logo, o lógico e de bom senso, seria a eleição com a participação destes que terão que conviver com a realidade da futura gestão. 

Nas últimas eleições dos 20 deputados que buscaram a reeleição, apenas 10 retornam para a Casa. Houve uma renovação de 58%, ou seja, 14 novos nomes estreiam na próxima 19ª legislativa estadual 

Não retornam para a Casa, Oscar Bezerra (PV), Zeca Vianna (PDT), Pedro Satélite (PSD), Romoaldo Júnior (MDB), Saturnino Masson (PSDB), Mauro Savi (DEM), Wagner Ramos (PSD), Silvano Amaral (MDB) e Daltinho (Patriota).

Os novatos que desfilarão nos corredores da AL MT são: Ulysses Moraes (DC), Delegado Claudinei (PSL), Dr. João (MDB), Lúdio Cabral (PT), Elizeu Nascimento (DC), Valmir Moretto (PRB), Faissal (PV), Thiago Silva (MDB), Dr. Eugênio (PSB), Dr. Gimenez (PV), Silvio Favero (PSL), Paulo Araújo (PP), João Batista do Sindispen (PROS) e Xuxu Dal Molin (PSC).

Nos dias atuais a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso está composta da seguinte forma:
Presidente
Eduardo Botelho
1º Vice Presidente
Gilmar Fabris
2º Vice Presidente
Max Russi
1º Secretário
Guilherme Maluf
2º Secretário
Nininho
3º Secretário
Baiano Filho
4º Secretário
Silvano Amaral

MPF passivo

Segunda, 12 de novembro de 2018

 O Ministério Público Federal eleitoral, pelo visto, não se importou tanto com os crimes eleitoral das eleições desse ano em Mato Grosso.

A instituição, que na última eleição traçou uma estrutura para conter crimes como caixa dois, abusos de poder econômico, na última eleição esteve mais como observadora e de forma passiva aguardando que o cidadão formulasse denúncias.

A menos que venha uma caixa de surpresa, o MPF em Mato Grosso foi muito diferente das eleições passadas. Quando era outro Procurador.

E a questão de se focar na pessoa do vendedor do voto (ou seja o eleitor) é coisa que nunca acontece e nem vai acontecer, ficando a culpa apenas para o candidato, na acusação de comprador. 

Aliás, a Justiça Eleitoral brasileira tem que parar, de vez, com sua confortável condição de empurrar para a população a formulação de denúncias de corrução eleitoral. Deve investir pesado em investigação, afinal pra isso contaria com milhares de servidores públicos que deveriam fazer o papel de casa.

Por falar em servidor público, outra conduta que deve ser banida é a concessão de férias para que servidores trabalhem em campanhas eleitorais, geralmente de seus próprios contratantes. Como é o caso da Assembleia Legislativa e câmaras municipais.

Muitas vezes o servidor é contratato pelo candidato dentro de uma confortável licença ou férias. E é o indigesto caso dos professores cuja situação atinge Assembleia. E o cidadão que busca seus serviços não tem atendimento, por conta da falta do servidor nos órgãos públicos e que estão em campanha.

Um por dia:
Otimismo é esperar pelo melhor. Confiança é saber lidar com o pior. Roberto Simonsen

 

 

Vicente Paulo, individual

Quinta, 11 de outubro de 2018

O artista plastico Vicente Paulo tem exposição individual "Voar Porque é Primavera", com o apoio Saga Hyunday HMB, que transcorre do mês de outubro celebrando 30 anos de pintura

O artista trás à mostra, traços, movimentos e muita cor. 

A abertura ocorre dia 16 de outubro, terça-feira, na Saga Hyundai/HMB, na av. da FEB 1.647, em Várzea Grande, às 20h00.

O destino de Taques

Segunda, 08 de outubro de 2018

Ex-servidora da Secretaria Adjunta de Esportes e Lazer, Márcia André, ironiza o destino do ainda governador Pedro Taques (PSDB) que votou no local talvez mais indesejado pelo próprio. 

Confira a postagem: 

Richa vetado em coligação, mas segue candidato

Terça, 18 de setembro de 2018

O ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB) que deixou o cargo para concorrer ao Senado pela coligação "Paraná Decide" foi vetado pela a atual governadora Cida Borghetti (PP).
 

A ex-vice de Richa pediu e a coligação atendeu, por maioria, a exclusão de seu nome como candidato ao Senado pela coligação.

Beto Richa foi preso em duas operações simuntâneas (Gaeco e Polícia Federal) na semana passada. 
 

A atual governador diz que após as denúncias a situação [com Richa] ficou insustentável e que não pactua com "nenhum ato de desvio de conduta". 
 

O ex-governador segue candidato 'sozinho' e tentando dizer que as prisões foram viés político. Alem de Richa e outras pessoas, sua esposa também foi presa.

1 - 2 - 3 - 4 - 5

Busca



Enquete

O futuro político de Pedro Taques será:

Candidato a prefeito de Cuiabá em 2020
Voltar a operar na área de Direito
Não me interessa, problema dele.
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 98431-3114