Artigos

Luto por Eduardo e Robin
Margareth Botelho
Carpe diem
Gustavo de Oliveira
Não vamos desistir do Brasil
Mauro Mendes
Jogo político
Gabriel Novis Neves
Não cabe em mim a tristeza
Fellipe Corrêa
» mais
Luiz Gonzaga Bertelli
1d67c7fcc4fc9af43b355fb1c71720ac
Quarta, 23 de março de 2011, 15h30

Problemas nas escolas

Dois em cada dez professores não têm a formação acadêmica exigida pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), segundo a qual docentes do sexto ano do ensino fundamental ao terceiro ano do médio devem possuir, no mínimo, um diploma universitário, mas 208 mil professores dessas séries concluíram apenas o nível fundamental ou o médio. Tal realidade é confirmada pelo índice apurado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep): 16,8% dos educadores são detentores dessa deficiência curricular. A situação é mais grave na Bahia, onde a taxa supera os 50%, e menos em São Paulo, com 2,25%. É preocupante notar a estagnação da média nacional, que permanece a mesma desde 2007, bem como o desinteresse dos jovens em seguir a carreira do magistério – opção de apenas 5% dos melhores alunos que cogitam ir para o ramo da educação, de acordo com estudo da Fundação Lemann.

 

É, enfim, uma bomba-relógio cujo efeito comprometerá, a médio e longo prazos, a sustentabilidade do desenvolvimento econômico. Isso porque a falta de capacitação dos professores defasa a educação de jovens que em poucos anos integrarão o corpo discente dos campi universitários. Sem uma boa base do ensino fundamental e médio, o estudante terá dificuldade para acompanhar o salto de complexidade das matérias, o que poderá levá-lo a abandonar o curso, como já acontece com grande regularidade.

 

Não consola saber que esse não é um fato novo e multiplicam-se os exemplos de alunos brilhantes vindos dos mais diversos extratos sociais. Portanto, é para se comemorar a decisão do Ministério da Educação (MEC) de regulamentar a prova nacional para ingresso na carreira docente, que passará a ser aplicada a partir de 2012. O objetivo é selecionar, a partir da nota, os mais aptos entre os candidatos para ocupar a cadeira de professor na rede pública de ensino. A ação não solucionará outros graves problemas estruturais da educação – como a implantação de políticas de meritocracia ou a melhoria na gestão das escolas –, mas confirma que a questão está entre as prioridades da presidente Dilma, como bem salientou nos primeiros discursos. A educação é o mais importante e mais antigo gargalo brasileiro e precisa ser eliminado o quanto antes.

 

Aliás, vale observar que há um movimento recente de instituições de ensino e empresas interessadas em capacitar uma nova geração de professores por meio de programas de estágio. A pedagogia tem figurado no ranking das áreas que mais requisitam estagiários, segundo números do CIEE. Como se sabe, essa é a maneira mais efetiva e econômica de preparar talentos, mostrando na prática os conhecimentos aprendidos em ambiente acadêmico e inserindo profissionais cada vez mais preparados no mercado de trabalho, o que tem tudo para estimular novos estudantes a seguir essa valorosa carreira.

Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), e diretor da Fiesp
MAIS COLUNAS DE: Luiz Gonzaga Bertelli

» ver todas

Busca



Enquete

Se a eleição para prefeito de Cuiabá fosse hoje você votaria em Silval Barbosa?

Sim
Não
Talvez
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114