Artigos

Mujica e os brasileiros
Fabio Carvalho
52ª Rima - A Condenação do Boi
Alessandra Rosa Da Silva Carvalho
Onde o voto começa e termina
Fernando Parracho
Afinal, a conduta pessoal importa ou não para a política?
Alzita Leão Ormond
Primavera
Gabriel Novis Neves
» mais
Luiz Gonzaga Bertelli
1d67c7fcc4fc9af43b355fb1c71720ac
Terça, 09 de agosto de 2011, 13h48

Quem faz a escola?

A bolacha vende mais porque é fresquinha ou é fresquinha porque vende mais? Esse tipo de raciocínio tem um nome complicado: tautologia. Pelo dicionário, trata-se de uma “expressão que repete o mesmo conceito já emitido, ou que só desenvolve uma ideia citada, sem aclarar ou aprofundar sua compreensão”. O mundo da educação não está livre de dizeres tautológicos: a boa escola é feita por bons alunos ou são bons alunos que fazem a boa escola?

 

A resposta para esse dilema pode estar em um estudo feito pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da Republica, Instituto Ayrton Senna e movimento Todos pela Educação. O levantamento revisou cerca de 200 artigos científicos nacionais e internacionais sobre educação e concluiu que aluno aprende 68% mais com professores de qualidade. Ou seja: é a escola que faz o aluno – educadores despreparados e desmotivados prejudicam o desempenho desse jovem. Além disso, outros fatores são determinantes para aprimoramento do aprendizado, dentre os quais se incluem a quantidade de alunos por sala, apoio e estrutura da instituição de ensino.

 

A pesquisa quantificou até mesmo o impacto que a perda de uma aula gera para o aluno: a absorção de conhecimento de classes que perdem uma aula por dia letivo é 44% menor. As conclusões, portanto, tiram dos jovens uma responsabilidade que muitos especialistas lhes tentaram imputar, na tentativa de isentar governos e escolas da má condução da educação brasileira ou, no mínimo, confundir o interlocutor com um raciocínio que não permite aprofundar a compreensão do problema.

 

Esse imobilismo não tem outro resultado senão as notas vexatórias de avaliações internacionais – como o Program for International Student Assessment (Pisa), que nos coloca atrás de nações como Turquia, Uruguai, México e Colômbia – e a baixa qualificação da mão de obra brasileira, que tanto ameaça a manutenção do desenvolvimento nacional no ritmo que tem se registrado nos últimos anos.

 

É preciso transformar a educação em prioridade nacional, engrossando o coro de intelectuais como Ozires Silva, fundador da Embraer e ex-presidente da Petrobras, que conhecem o poder transformador do conhecimento, focando especialmente o ensino superior. Aliás, Ozires Silva capitaneia uma elogiável cruzada em favor da desoneração da Educação, propondo soluções inéditas que afetam até mesmo o dia a dia das empresas e suas políticas de incentivos educacionais. Entre as propostas que sugere estão a desoneração das instituições de ensino – visto que cerca de 30% das mensalidades são tributos –, a criação de estímulo para as empresas promovam a capacitação entre seus colaboradores e a revisão das políticas de concessão de crédito para pesquisa e desenvolvimento. 

Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), e diretor da Fiesp
MAIS COLUNAS DE: Luiz Gonzaga Bertelli

» ver todas

Busca



Enquete

Se a eleição para prefeito de Cuiabá fosse hoje você votaria em Silval Barbosa?

Sim
Não
Talvez
  Resultado
Facebook Twitter Google+ RSS
Logo_azado

Plantão News.com.br - 2009 Todos os Direitos Reservados

email:redacao@plantaonews.com.br / Fone: (65) 8431-3114